Sistema Fecomércio-Sesc-Senac-PE mantém-se mobilizado, apesar da covid-19

AddToAny buttons

Compartilhe
23 A 24 mai 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Em live, Bernardo Peixoto falou sobre a atuação da Federação e as ações de Sesc e Senac
Em live, Bernardo Peixoto falou sobre a atuação da Federação e as ações de Sesc e Senac
Crédito
Fábio Louzada

22/05/22

As medidas de exceção adotadas pelos governos federal, estadual e municipal para enfrentar a pandemia do novo coronavírus alteraram a rotina do Sistema Comércio em Pernambuco, suspendendo as atividades de atendimento presencial ao público na Fecomércio, no Sesc e no Senac. As três entidades, contudo, não estão paradas.

Parte considerável de suas equipes trabalham no regime de home office, continuando a atender seus usuários – empresários, alunos dos diversos cursos – e, em especial, pessoas em situação de vulnerabilidade social, como moradores de rua.

O relato foi feito pelo presidente do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac-PE, Bernardo Peixoto, em live no Instagram da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em 22/05. O dirigente fez amplo relato sobre a atuação da Federação em defesa da reabertura das atividades comerciais e das ações dos braços sociais da entidade.

Negócios

Preocupada em garantir a vida das empresas diante da crise, a Fecomércio se juntou a outras entidades empresariais para dialogar com o governo de Pernambuco. “Propusemos a reabertura gradual, segura e organizada do comércio de bens, serviços e turismo, com horários de funcionamento escalonados entre as atividades e redução de pessoal, respeitando todas as medidas de distanciamento social e higiene determinadas pelos órgãos de saúde”, revelou.

Depois que mais de mil pessoas morreram por causa da covid-19 (já eram 1.925 no dia 22/5), o estado decidiu endurecer a quarentena em cinco cidades da Região Metropolitana – Recife, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Camaragibe e São Lourenço da Mata, responsáveis por 68% dos óbitos –, no período de 16 a 31 de maio.

As conversas em torno de soluções para o drama do empresariado se dão dentro de um grupo de trabalho criado pelo governo, do qual participam secretários de estado e o próprio governador. Os pleitos ainda não foram atendidos, mas o governo acenou com a possibilidade de flexibilização, caso se observe melhora no quadro gerado pela covid-19. “A falta de perspectiva, porém, está deixando os empresários apreensivos”, observou.

Item importante na pauta das negociações tem sido a cobrança de medidas compensatórias, que preservem os negócios e os empregos. Entre elas, estão postergação de recolhimentos de tributos, redução de alíquotas de ICMS e oferta de novas linhas de crédito para suprir fluxo de caixa, em especial dos micro e pequenos negócios.

Crédito

A Fecomércio também intercedeu junto aos bancos estatais para desburocratizar exigências e facilitar o aceso de microempresários ao crédito. Esse processo já havia sido aberto junto ao Banco do Nordeste por meio de convênio com a CNC. “As instituições oficiais estão com dificuldades e ainda são lentas pra atender nossas demandas”, queixou-se o dirigente.

O Comitê de Crédito da Fecomércio realizou uma iniciativa inédita no Brasil: uma parceria com a Superintendência da Caixa Econômica Federal (CEF) para acelerar a liberação de cotas do Auxílio Emergencial do governo federal, benefício financeiro a trabalhadores informais, autônomos, desempregados e microempreendedores individuais (MEI). “A CEF, que sofre com a escassez de funcionários, capacitou 75 funcionários da Federação que, nas unidades do Sesc em Casa Amarela (em Recife) e Caruaru, ajudam no atendimento aos milhares de interessados”, revelou Peixoto.

Foram prestadas informações para mais de 7 mil pessoas até agora. Cerca de 800 pessoas procuram a entidade diariamente. Até o final deste mês, serão cerca de 16 mil.

Senac/Sesc

O Senac mobilizou 50 de seus funcionários para produzir duas mil refeições por dia para moradores de rua. O governo de Pernambuco e a prefeitura do Recife são os responsáveis pela logística de distribuição. “Vamos doar esse alimento diariamente durante todo o mês de maio. Serão 60 mil refeições ao todo para evitar que os mais humildes morram de fome”, declarou Peixoto.

Já o Sesc está usando a sua unidade de Santo Amaro, na capital, para fazer refeições, que são doadas à comunidade do entorno da sede administrativa da entidade, através do projeto Marmita Solidária, em parceria com a ONG Juntos. Até 22 de maio, haviam sido distribuídas três mil marmitas. A ação vai se estender até o dia 31 de maio.

“O Sesc também distribuiu mil cestas básicas para os jovens e idosos assistidos pelo trabalho social com grupos e para os estudantes do projeto de Educação de Jovens e Adultos, que se encontram em vulnerabilidade social.”

Mas, de acordo com Bernardo Peixoto, a principal ação social do Sesc continua sendo o Banco de Alimentos, vinculado ao programa Mesa Brasil, do Departamento Nacional da entidade. Do início de abril até 21 de maio, o banco havia arrecadado 275 toneladas de alimentos perecíveis e não perecíveis, doadas à população em situação de risco no estado.

Outra iniciativa destacada pelo presidente da Fecomércio, agora para ajudar os comerciantes a se preparar para a reabertura das lojas no estado, é a distribuição por Sesc e Senac de 40 mil máscaras de tecido. Elas estão sendo entregues a sindicatos filiados à Federação, e eles se encarregarão de levar às empresas associadas para distribuir aos seus funcionários.

“Também estamos ajudando os grandes heróis dessa pandemia, os profissionais de saúde, distribuindo, através do Sesc e do Senac, 20 mil protetores faciais de acetato nos hospitais e nas unidades de pronto atendimento (UPAs) de Pernambuco”, concluiu.